Copiosa coisa pensante

Eu sou puta,

e não prostituta

Mas cobro

E cobro barato:

somente o necessário

para ter o meu feijão ao prato

 

Eu não tenho fama,

tampouco grana

Pois não corro atrás de bola,

preferi ir à escola

Envergonho-me de, em todo tempo, ser agraciado

não quero, pois, cair no vício de pedir esmola

 

Semelhante a um casal, em sua intimidade,

sou uma tremenda puta em meu trabalho

O contrário tão somente,

é que faço tudo,

e nada valho

 

Puta…,

putativo cidadão eu sou,

suposto vivente entre os nobres senhores

Valho somente enquanto ensimesmado

fora isso,

sou privado de quaisquer valores

 

Rotularam-me de meretriz,

e isto é um grande e quase irreversível mal

pois, sendo assim,

eu certamente nunca ascenderei

Sobreviverei eu sempre na horizontal

 

Quão patológico é este tal de Capitalismo,

cujo sufixo mui me contaminara,

feito certa espécie danosa de vírus

ou qualquer outra mortal doença rara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *