O além do ponto

O ponto está lá,

mas sei que o mesmo não existe

Não sendo o ponto um ponto,

creio que algo após ele subsiste

 

Vejo agora o quão singelo

é o mísero inteligível,

pois consegue chegar a um insensível inexistente ponto;

tornando-se um abstrato impotente,

diante do metainteligível

 

Além do suposto ponto

eu quero muito chegar

E desprovido de todo inteligível

eu quero ficar

 

Do sensível ao inteligível,

é o que chamo de processo de abstração

Do inteligível ao além do ponto,

permita-me aqui eu chamar de processo de divinação, beneficiação

 

O motivo do putativo ponto não haver

não surpreende ninguém; não, senhor!

Pois, o que transcende o desataviado inteligente ponto,

é o Divino, é o Bem, professor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *